Fiocruz pode produzir 40 milhões de testes por ano. Até setembro deste ano, foram registrados 200,4 mil casos de zika no país

Um ano após o anúncio da emergência pelo vírus da zika, um teste rápido capaz de diagnosticar a zika em qualquer ambulatório acaba de ser liberado para produção pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O kit diagnóstico identifica o vírus no sangue de quem tem ou já teve a doença em cerca de 20 minutos. O teste foi desenvolvido em uma parceria entre a Fiocruz Biomanguinhos e a empresa norte-americana Chembio, e pode estar disponível na rede pública em um mês, de acordo com Paulo Gadelha, presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Só agora a Fiocruz recebeu o registro da Anvisa para um teste com a possibilidade de fazer um diagnóstico sorológico para saber se a pessoa teve zika ou não”, disse Paulo Gadelha, presidente da Fiocruz.

Até setembro, o Brasil tinha registrado 1,4 milhões de casos suspeitos de dengue, 236 mil casos prováveis de febre de chikungunya e 200,4 mil, de zika.

De acordo com Gadelha,  agora a Fiocruz pode fazer uma avaliação de qual o percentual da população já tem alguma imunidade. A fundação teria capacidade para produzir imediatamente e entregar para o sistema de saúde em um mês. “O Brasil vai poder agora dizer algo que é fundamental, determinar os casos que são ou não zika.”

No final de outubro, o Ministério da Saúde anunciou a compra de 3,5 milhões de kits diagnósticos rápidos para zika produzidos pelo laboratório Bahiafarma, ao custo de R$ 34 cada. Sendo que 2,5 milhões serão distribuídos em novembro e dezembro; o restante deve ser entregue até fevereiro de 2017.

O teste produzido pela Fiocruz tem um custo mais baixo que o da Bahiafarma, segundo Marcos da Silva Freire, vice-diretor de desenvolvimento tecnológico da Fiocruz. “É um teste muito bom para a fase aguda da doença ou mesmo para depois”, explica.

Freire estima que a Fiocruz possa produzir 40 milhões de testes por ano.

O Ministério da Saúde informa que adquiriu, no dia 25 de outubro, testes do laboratório público Bahiafarma, que estarão disponíveis para uso no Sistema Único de Saúde (SUS) até dezembro, pouco antes do período de verão, quando a circulação do mosquito Aedes aegypti é maior. A Fiocruz, que faz parte do Ministério da Saúde, teve o registro do teste rápido de Zika aprovado pela Anvisa no dia 31 de outubro. O teste, que foi aprovado na linha de pesquisa, ainda não está disponível em escala de produção, e é mais uma tecnologia disponível no mercado, podendo ser utilizado no sistema público.

Teste único espera aprovação

Anunciado pelo então ministro da Saúde Marcelo Castro, em janeiro, o kit único que seria capaz de identificar dengue, zika e chikungunya, também desenvolvido pela Fiocruz, ainda aguarda liberação da Anvisa.

O Kit NAT Discriminatório, como foi batizado o teste, traz uma combinação pronta de reagentes para uso em laboratório. A análise conjunta é especialmente relevante para regiões em que os vírus circulam ao mesmo tempo. Em março, a estimativa de custo era de US$ 20 dólares por teste.

Cristiane Capuchinho/UOL

COMPARTILHAR
Artigo anterior6 Motivos Urgentes para você Usar Camisinha
Próximo artigoO mundo prende a respiração enquanto os Estados Unidos votam
É jornalista e profissional de marketing. Bem antenado e com ampla experiência no jornalismo online e impresso. Tem atuado como gestor de mídias sociais e assessor de imprensa. Fera em produção de conteúdo para a web, ama cinema, literatura, cultura geek, fotojornalismo e design gráfico. Ama o que faz. Simples assim!

DEIXE UMA RESPOSTA