Ronaldo Voloski e Ademildo Medeiros foram presos nesta tarde acusados de fraudar a previdência dos servidores municipais. Dois mandados de prisão foram cumpridos no Pará e um em Santa Catarina. Desvios podem chegar a mais de R$ 4 milhões

Foram presos na tarde de hoje (3) Ronaldo Lessa Voloski e Ademildo Alves de Medeiros, superintendente e diretor financeiro do Ipaset, respectivamente. Em Blumenau (SC), foi preso o advogado Elsimar Roberto Packer.

Ronaldo Lessa Voloski, , superintendente do Ipaset
Ronaldo Lessa Voloski, , superintendente do Ipaset

Ronaldo, que também é chefe de gabinete da prefeitura de Tucuruí foi preso após investigação do Ministério Público Federal (MPF). A Polícia Federal prendeu os acusados que desviaram recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Tucuruí (Ipaset), no Pará. O desvio pode chegar a mais de R$ 4 milhões.

Ademildo Alves de Medeiros, diretor financeiro do Ipaset (Foto DVP Tucuruí)
Ademildo Alves de Medeiros, diretor financeiro do Ipaset (Foto DVP Tucuruí)

Os crimes vinham ocorrendo desde abril de 2015. De forma ilegal e criminosa, os dois integrantes do Ipaset autorizavam transações bancárias, bem como transferências eletrônicas de recursos ou emissões e saques de cheques fraudulentos.

De acordo com as investigações, não há nenhum contrato entre o Ipaset e as empresas beneficiárias do esquema. Os recursos deveriam ter sido investidos em aplicações financeiras com o objetivo de gerar renda para os servidores do município.

As prisões desta quinta-feira foram prisões preventivas em cumprimento a mandados da 4ª Vara da Justiça Federal em Belém, especializada em crimes de lavagem de dinheiro e contra o sistema financeiro nacional.

Os acusados já foram denunciados à Justiça pelo MPF. As penas para os crimes, somadas, podem chegar a 21 anos de reclusão, além de multa.

Com informações do MPE

 

Ministério Público Federal no Pará

 

DEIXE UMA RESPOSTA