Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável – PDITS pode contribuir para alavancar a economia de Tucuruí.

Tucuruí prosperou com as obras de implantação da Usina Hidrelétrica, projeto que sustentou a ampliação e qualificação de  infraestrutura básica e de serviços do município. Para discutir a implantação do Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável – PDITS de Tucuruí foram iniciadas ontem (26) as avaliações técnicas para estabelecer as bases para a definição de ações, prioridades, e a tomada de decisão para nortear investimentos e melhorar a capacidade empresarial e o acesso ao mercado turístico no município.

Para construir o instrumento técnico de gestão, coordenação e condução das decisões da política turística e de apoio ao setor privado uma equipe técnica com especialistas do Departamento de Turismo de Tucuruí e da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), estão no município para mapear as belezas da cidade.

Ontem, uma reunião com representantes de diversas secretarias, autarquias, entidades e associações do município deu o ponta pé inicial no projeto que pode contribuir para alavancar a economia de Tucuruí.

Ivy Goes, da CP Empreendimentos, empresa que vai auxiliar na elaboração do PDITS, disse que a visitação servirá para mapear as atividades turísticas de Tucuruí e a partir daí, será elaborado um plano de ações visando alavancar a atividade.

A intenção é resgatar, por exemplo, eventos como o TOPAM e a pesca esportiva como uma atividade turística importante em Tucuruí. Aumentar o fluxo de turistas para visitar a Usina de Tucuruí também está no planejamento inicial. O lago é outro atrativo de destaque, com potencial para atividades náuticas e de sol e praia e que abriga um conjunto de centenas de ilhas além da área Indígena Assuriní, na Reserva Trocará, também devem compor os atrativos turísticos principais.

Michele Van der Lan, coordenadora do Departamento de Turismo, explica que, por ser uma atividade multifacetada, o turismo se inter-relaciona com os diversos segmentos econômicos e demanda um complexo conjunto de ações setoriais para o seu desenvolvimento, sendo necessário promover de forma organizada para que beneficie os locais receptores e as comunidades envolvidas.

O PDITS deverá subsidiar todas as fases do projeto local e no Pará, abrange as áreas selecionadas nos Pólos de Belém, Tapajós e Marajó, orientando o crescimento do setor turístico com bases sustentáveis em curto, médio e longo prazo. “Considerando os múltiplos agentes públicos e privados no desenvolvimento das atividades turísticas, o PDITS visa assegurar e orientar as autoridades governamentais quanto aos ajustes no marco legal e institucional necessários para facilitar o desenvolvimento do turismo nas áreas prioritárias. Também oferece informações específicas para promover investimentos da iniciativa privada em empreendimentos e produtos turísticos que aproveitem os atrativos dessas áreas e, por fim, conscientizar as comunidades locais sobre o papel do turismo como indutor do desenvolvimento econômico e gerador de novas oportunidades de trabalho, melhorando a qualidade de vida da população local”, explicou a técnica.

DEIXE UMA RESPOSTA