Prefeito João Gomes foi morto a tiros durante um velório no domingo, 24. Vice Antônio Pego assume a prefeitura até o dia 31 de dezembro de 2016

O vice-prefeito de Goianésia do Pará, Antônio Pego (PSC), conhecido como “Tonhão”, toma posse nesta quarta-feira (27), às 19h30, do cargo de prefeito da cidade do sudeste do estado. Ele assume a administração municipal após o assassinato do então prefeito João Gomes da Silva, 62, conhecido como “Russo”, morto a tiros na noite de domingo (24) quando participava do velório de um amigo da família.

Segundo informações preliminares da polícia, um homem que já estava no local fez os disparos contra o político e fugiu de moto com o apoio de um comparsa que o aguardava na área externa de onde ocorria o velório. A esposa de Russo chegou a ser atingida por um disparo na perna, mas passa bem.

O crime assustou os moradores da pequena cidade de 35 mil habitantes. “Está todo mundo abalado. Não é o primeiro assassinato, já tivemos outros amigos perdidos. A Justiça tem que fazer a parte dela, é uma coisa que não pode continuar, uma cidade pequena com violência tamanha”, declarou Antônio Pego em entrevista ao G1.

Antônio Pego fica no comando de Goianésia até o dia 31 de dezembro, quando um novo prefeito deve tomar posse depois das eleições de outubro. “Estou tomando pé da situação, buscando cada secretaria para ver o andamento das ações. Nós vamos dar continuidade nas coisas que estavam sendo feitas, nos projetos e ver o que há de emergencial para tomar as providências necessárias. De imediato temos as aulas que estão chegando e a questão da saúde pública”, afirmou Pego.

Investigações
A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup) enviou uma equipe de policiais civis e militares para o município de Goianésia do Pará para auxiliar nas investigações e buscas dos suspeitos de assassinar o prefeito João Gomes da Silva, 62 anos. Viaturas da Polícia Militar e Rotam (Ronda Ostensiva Tática Metropolitana) fazem rondas contínuas na entrada e no centro da cidade.

De acordo com o delegado João Bosco Rodrigues, diretor de Polícia do Interior (DPI), as investigações contam com quatro equipes de trabalho: a da DPI, que é formada por policiais de Belém e da superintendência regional do Lago de Tucuruí; a da divisão de homicídios, que preside as investigações com o delegado Marco Antônio; uma equipe de Marabá; além da equipe local que já foi reforçada com um destacamento de quatro guarnições da Rotam e do grupo Tático da Polícia Militar.

Dentro da investigação, algumas testemunhas do crime já foram ouvidas. No momento, várias pessoas ligadas à vítima estão sendo interrogadas na delegacia do município para que a polícia possa compreender as possíveis motivações do crime.  A equipe continua por tempo indeterminado em Goianésia do Pará.

Do G1 PA

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCapitania dos Portos cobra retirada de navio boiadeiro naufragado no PA
Próximo artigoAção civil pede fim da folia em Tucuruí
É jornalista e profissional de marketing. Bem antenado e com ampla experiência no jornalismo online e impresso. Tem atuado como gestor de mídias sociais e assessor de imprensa. Fera em produção de conteúdo para a web, ama cinema, literatura, cultura geek, fotojornalismo e design gráfico. Ama o que faz. Simples assim!